Há 30 anos Renato Russo cantava, e eu gosto de meninos e meninas. Há mais de 100 anos, (exatamente em 1908), Freud escrevia no texto, “Fantasias histéricas e sua relação com a bissexualidade” que todo ser humano é potencialmente bissexual. Na infância não existe um repulsa em tocar carinhosamente um homem ou uma mulher. Em uma análise simplificada o carinho corporal pelo pai e pela mãe é claro e natural. Freud defendia que um Bebê era “Perverso Polimorfo”: isto significa que, potencialmente toda criança razoavelmente saudável, seria capaz de experienciar o prazer de múltiplas formas, em múltiplas zonas do corpo e com múltiplos objetos. Isto pode ser remetido à bissexualidade psíquica constitucional de todos os seres humanos. Como mãe eu consigo ver isso claramente no meu filho. 

Poucas pessoas se afirmam bissexuais. Na nossa sociedade, em se tratando de conquistas e liberdades, existe um incentivo grande para que os homossexuais se assumam ou saiam do armário. E isso significa escolher um outro extremo do espectro sexual, ser homo. Para a grande maioria só existem dois caminhos, ser hétero ou homo. E ponto. 

Mas as possibilidades são inúmeras e levantar a bandeira bissexual é muito importante para aceitação dos inúmeros comportamentos e desejos sexuais que uma pessoa possa ter. Além do termo bissexual existe também o pansexual (que não é quem abraça árvore) que é uma identidade que aceita mais amplamente a expressão de diferentes orientações sexuais e de expressões de gênero saindo da binaridade (homem e mulher) e que abraça o conceito de fluidez sexual. Outro termo que encontrei que pra mim era novidade no glossário sexual é monodissidentes, ou seja, pessoas que desejam e/ou gostam de pessoas não importa a que identidade elas pertençam (agêneros, trans ou qualquer outra nomenclatura que possa existir). 

Madonna e Britney Spears (VMA 2003)

 

Escala Kinsey

 

O biólogo e sexólogo americano Alfred Charles Kinsey, professor de entomologia e zoologia fundador do Instituto de Pesquisa do Sexo na Universidade de Indiana (1947) agora conhecido como o Instituto Kinsey para Pesquisa do Sexo, Gênero e Reprodução criou em 1948 uma escala para medir a sexualidade humana. Em um extremo a heterossexualidade, no outro a homossexualidade. E entre esses pontos as outras possibilidades, no meio delas a bissexualidade. Este teste marca um fato importante por considerar que em qualquer lugar que uma pessoa se colocasse não significava que ela teria uma doença ou desvio. A despatologização das orientações sexuais são um ganho importante que muitos psicólogos ainda hoje não engolem. Muitos consideram que a bissexualidade é fruto de uma indecisão. E isso definitivamente não é verdade. Isso se deve por dois principais fatos, primeiro por não ser comum encontrar pessoas que se assumem abertamente como bissexuais. Além disso a relação mais vista e aceita é entre duas pessoas, a monogamia, por isso o bissexual transita entre os dois extremos praticando mais um lado que o outro em diferentes fases da vida. Isso pode ser confundido com confusão emocional mas é só uma questão de escolha de parceiro afetivo no momento. É raro a possibilidade de viver esta orientação na prática em todos os momentos da vida já que uma relação a três não é considerada normal e não é aceita na nossa cultura. 

Ficou curioso onde você se encaixa na escala Kinsey? Se você, como eu, adora um teste faça o seu aqui. São só sete perguntinhas bem fáceis.  

 

Lilás é a Cor Mais Quente

 

Você conhece a bandeira do orgulho Bissexual? Euzinha nunca tinha visto. A bandeira expressa a junção das cores rosa e azul, símbolo já batido de masculino e feminino. Azul + Rosa = Lilás.Falar sobre o assunto e até levantar e reconhecer sua bandeira é necessário para diminuir o preconceito em relação a bissexualidade.

Bandeira do Orgulho Bissexual (1998)

Uma organização lindona que representa os Bissexuais no Brasil é a Bi-Sides. Vale a pena dar uma curtida na página e acompanhar as ações do grupo. 

https://www.facebook.com/bisides/

 

O que é afinal ser Bissexual

 

Ser Bissexual, a princípio, é sentir desejo por ambos os sexos. Não é preciso que uma relação sexual aconteça para que a pessoa se considere bi ou não. Confessar um desejo em uma pesquisa é muito difícil. Por isso é complexo criar dados sobre qual o percentual de bissexuais na nossa sociedade. Além disso muitos não reconhecem conscientemente esta identidade. A construção de uma orientação sexual passa basicamente por três esferas, a biológica, a histórica e a cultural. Aí já viu né, são muitas variantes que tornam a descoberta e a vivência da bissexualidade um processo obscuro e sem muitos exemplos. Seguindo uma orientação psicanalítica, a origem da sexualidade, é um desejo ambíguo e da ordem do imaginário. Na vida adulta, quando efetivamente se começa a vida sexual, a orientação sexual e as escolhas dos parceiros, estão intimamente ligadas à história da pessoa, podendo ser orientada para o sexo oposto ou para o mesmo sexo e também variar em diferentes fases da vida. 

 

Lesbian Chic

 

Na nossa cultura a bissexualidade feminina é muito mais aceita e incentivada. As mulheres se tocam mais naturalmente a vida inteira. Quase todos os homens héteros fantasiam o famosão Ménage à Trois com duas mulheres. Os pornôs estão aí pra provar isso. A moda também adora essa estética. Muita gente fala e eu sou obrigada a concordar duas mulheres se beijando e se pegando é uma poesia pros sentidos. 

Existem muitas possibilidades para colocar a bissexualidade em prática. Se você é mulher e namora um moçoilo uma delas é fazer um Ménage com o namorado. Além de ser muito gostoso, ao contrário do que muitas pensam ou temem compartilhar momentos como este com o amado é uma maravilhosa oportunidade para unir o casal. As possibilidades para realizar esta fantasia são muitas. O Tinder está cheio de perfis de casais. Mas eu recomendo fortemente considerar uma amiga. Amigos se entendem e respeitam o limite um do outro. E pensando bem você deve ter uma amiga interessante que toparia uma diversão especial dessas. Aqui valem três regras básicas, deixe o ciúme de lado, troque a camisa entre uma penetração e outra e curta o momento. Se jogue com respeito, carinho e um punhado de sacanagem. É maravilhoso. 

Se você tem esta fantasia recomendo um filme maravilhoso, Vicky Cristina Barcelona. O filme de Woody Allen é uma história de um ménage com nada menos que Scarlett Johansson, Javier Bardem e Penélope Cruz. Nossa, fico molhadinha só de lembrar do filme. O longa é quase um filme do Almodóvar com boas doses de drama e comédia, os atores estão ótimos e a estética latina aguça o tesão. Vale a pena conferir e te digo que rende até uma punhetinha. 

 

 

Eles também são

 

Se você chegou até aqui com a certeza de que é Bi você não está sozinho. Para fortalecer o movimento vamos lembrar de alguns famosos que fazem parte dessa turma. 

A musa do pop brasileira Anitta disse que é bissexual e que sua a família já sabia disso desde que ela tinha 14 anos. Outra Divona Pop que já se declarou bi foi Lady Gaga. Madonna foi outra que já lascou um beijaço em Britney Spears no Video Music Awards e já abusou da imagem Lesbian Chic no seu livro Sex em fotos pra lá de calientes com Isabella Rossellini. A Atriz Kristen Stewart e a modelo Cara Delevingne são outras lindas que já namoraram homens e mulheres. Vamos falar dos homens também. Eles são menos assumidos que as mulheres já que como disse antes é um comportamento muito menos aceito. Nomes como Freddie Mercure, David Bowie, Mick Jagger e Caetano Veloso são pessoas que se relacionaram com ambos os sexos e dentro da concepção escolhida aqui foram ou são homens bissexuais. 

 

 

Se Liberte

 

O grande apelo e imposição do modelo heterossexual para todos é um prisão. Por causa disso a grande maioria não se questiona e não observa o seu prazer ou felicidade. A ditadura da heterossexualidade é mais pesada do que você imagina. Por conta dessa forte imposição, muitas pessoas encontram alívio dos desejos homoeróticos em remédios, nas drogas, na violência ou mesmo, adotando um padrão escondido ou uma vida dupla. Para viver uma sexualidade sadia não é necessário assumir pro mundo suas preferências. O assunto é íntimo e pode ficar só com você e com as pessoas com quem você se relaciona. O complicado de verdade é quando a pessoa não assume para si. Nenhuma orientação é melhor ou pior que outra, elas são somente diferentes. O importante é se conhecer e se encontrar. Aproveite que você está no século 21 onde as possibilidades se abrem a cada dia mais. 

Se você pensa demais sobre o assunto e nunca deixou seu lado bi aflorar lembre dessa frase do Freud. 

“As emoções não expressas nunca morrem. Elas são enterradas vivas e saem das piores formas mais tarde.” 

 

Viva seus desejos e fantasias sem medo, é gostoso e faz bem pra saúde! 

 

P.A., 40 anos, bi e happy