Éramos amigos, melhores amigos, há aaanos, quase seis! Mas eu sempre soube que ele tinha uma quedinha por mim e eu por ele, mesmo assim nunca rolou nada, um dos dois sempre estava comprometido. Mas era questão de tempo, todo mundo sabia que um dia ia rolar. E assim ficamos, cinco anos só nos olhares e nos abraços mais compridos. 

Até que um dia fizemos um encontrinho na casa de uma amiga. Éramos só nós 3, eu ele e a amiga. A casa era em um condomínio fechado e a noite estava super fresquinha e agradável. Conversa vai, conversa vem, estávamos na varanda, fumando um e tomando umas até que a amiga. saiu para pegar mais cerveja. 

Do nada, ele me beijou. E beijou com vontade, terminando com aquela mordidinha no lábio debaixo. Mas “do nada” não, né, depois de 5 anos com os dois querendo muito que isso acontecesse. E quando a amiga voltou e nos viu juntinhos, gritou: ALELUIA!!!

Mas sabe, pra mim seriam só alguns beijinhos, umas pegadas mais fortes, talvez mão naquilo e aquilo na mão até que comecei a sentir a mão dele na minha coxa. Estávamos sentados em uma mesa coberta com uma toalha bem comprida, a nossa amiga, que estava sentada em frente, não via nada porque era tudo “under the sheets”. 

Logo comecei a sentir a mão dele sob o meu vestido, ela estava geladinha por causa do friozinho da noite. De leve ele foi encostando lá, ainda por cima da calcinha. Eu então coloquei a minha mão no pau dele, que já estava extremamente duro, e comecei a esfregá-lo de cima a baixo, devagar mas com um pouco de força. 

Quando senti seus dedos geladinhos em mim, já estava extremamente molhada, querendo levantar dali e ir correndo pro quarto. Ele começou a me dedar e esfregar lentamente o meu clitóris, fiquei ainda mais molhada e tudo que eu queria era dar gostoso pra ele. Enquanto isso a amiga que não via nada contando casos da faculdade, sem desconfiar do fogo que estava rolando debaixo da mesa. Confesso que isso me deixou ainda mais excitada, às escondidas me deu mais tesão. 

Com muito cuidado para não fazer barulho, desabotoei a calça dele e bem devagar abri o zíper. Coloquei a minha mão debaixo da cueca e senti aquela rola enorrrrme, duríssima e com a glande molhadinha, sabe? A vontade de chupar aquele pau enquanto ele enfiava seus dedos em mim, agora um pouco mais forte, era quase maior que eu. 

Foi incrível, meu amigo estava me deixando LOUCA, e me olhava com aquela cara de “vou te comer gostoso” . E a nossa amiga lá, continuando a desabafar sobre o professor que a reprovou em uma matéria, enquanto o pau quebrava debaixo da mesa. 

Não aguentei mais e falei “vou ao banheiro”. Ele entendeu na hora e disse que ia aproveitar pra pegar mais cerveja. Lógico que fomos os dois direto pro banheiro, ele subindo meu vestido, tirando minha calcinha enquanto beijava meus peitos, e eu abaixando sua calça pra finalmente cair de boca naquela rola: hummmque gosto maravilhoso! 

Ele olhava pra baixo com a melhor cara de safado e me via pelada, chupando o pau dele, puta que pariu estava muito gostoso escutar os gemidinhos que ele dava enquanto eu lambia e esfregava a rola na minha cara. 

Numa velocidade indescritível, me levantou e me virou de costas. Enquanto brincava com os meus seios, metia gostoso e tampava a minha boca porque eu ja não conseguia controlar meu gemidos. Eu sentia ele fundo, forte, sem parar. Me deu um tapa no bumbum e já levou a mão no meu clitóris… esse homem queria me matar de prazer!!! 

Cada metida me dava um arrepio, foi uma química louca, sei lá! Depois ele sentou em cima do vaso e eu pulei pra cima, quicando e cavalgando mas já sem conseguir controlar direito os meus movimentos, o orgasmo estava chegando e eu não conseguia parar. 

Eu o observava ficando excitado enquanto meus peitos balançavam na sua cara. Ele lambia meu mamilo e eu já estava a ponto de explodir quando mais uma vez ele começou a tocar meu clitóris enquanto eu cavalgava. EXPLODI. Na hora veio aquela sensação maravilhosa de um orgasmo que me fez perder total controle do meu corpo. 

E a amiga coitada, lá, esperando a cerveja chegar, sabe de nada inocente. Quando ele gozou dentro de mim foi uma sensação transcendental. O melhor de tudo foi a gente se olhando enquanto os dois recuperavam o ar. Quase tive um orgasmo de novo com aquele olhar.

 

B.L., 28 anos, Romântica que adora uma rola